Cabos elétricos: Aprenda a escolher!

Um BARATO que PODE TE CUSTAR CARO é a escolha errada de Cabos elétricos.

Você sabe a diferença que tem um condutor com isolação de PVC em relação ao que tem isolação HEPR?

  • E se eu trocar o tipo de cabo elétrico, tem como conduzir mais corrente?

Pois é, a aula de hoje vem tratar sobre isso, o que você precisa saber sobre isolação de condutores elétricos.

Caro leitor, os cabos elétricos são fabricados com diferentes tipos de isolação, mas uma coisa não muda:

  • O material usado sempre será um polímero, podendo ser do tipo termoplástico ou termofixo.

Os termoplásticos amolecem quando aquecidos e retornam às suas características mecânicas originais quando são resfriados.

Como exemplos de termoplásticos temos o PVC e o LSHF/A, compostos não halogenados (famosos cabos ATOX).

Cabos Elétricos

Já os termofixos após serem aquecidos e reticulados (vulcanizados), não voltam as suas características mecânicas originais.

Como exemplo, temos a isolação HEPR, que é mais utilizada para cabos até 1kV.

Trocar a ISOLAÇÃO do cabo elétrico faz ele CONDUZIR MAIS CORRENTE?

Devemos levar em conta três características térmicas na hora de escolher o tipo de isolação de um cabo:

  • Temperatura de serviço contínuo
  • de sobrecarga
  • e curto-circuito.

A temperatura de serviço contínuo é aquela que o cabo foi projetado para suportar sob condição de operação permanente durante toda sua vida.

Já a temperatura de sobrecarga é aquela que é admitida no máximo 100 horas durante 12 meses consecutivos ou no total de 500 horas durante a toda vida do cabo.

E a temperatura de curto-circuito é permitida no máximo por 5 segundos.

Lembrando que essas temperaturas limites são sobre o condutor isolado e quando esses valores são ultrapassados, podem surgir danos à isolação, e a consequência disso é o choque elétrico, curto-circuito e, até mesmo, incêndios.

Cabos de PVC

Antes de mais nada, é importante você saber o caminho que está seguindo, para isso, consulte um especialista para analisar a sua instalação e evitar riscos!

Outra opção é CLICAR AQUI e fazer o curso da Engehall, fica a dica!

O PVC é o composto termoplástico à base de policloreto de vinila.

Esse tipo de isolação possui uma temperatura máxima em serviço contínuo de 70º C, uma temperatura de sobrecarga de 100º C e de curto-circuito de 160º C.

Cabos PVC

Esse tipo de isolação é o mais comum do nosso mercado e possui um preço mais acessível.

Mas tem uma grande desvantagem:

Em caso de queima produz uma fumaça preta tóxica que pode matar, e devido também a emissão de gases tóxicos e corrosivos, não pode ser instalado em locais com grande afluência de público, como shoppings centers, cinema, escolas, hospitais etc.

Deve ser usado os cabos ATOX que falei lá trás!

 

Cabos elétricos HEPR

Os cabos com isolação HEPR, é uma variação do EPR, ambos são compostos termofixos à base de etileno-propileno, e o HEPR é de alto módulo.

Eles possuem uma temperatura máxima em serviço contínuo de 90º C, uma temperatura de sobrecarga de 130ºC e de curto-circuito de 250º C.

Atenção:

  • Não é porque é um composto termofixo que esse cabo é rígido ou semiflexível, pelo contrário ele é um material de fácil manuseio como os cabos de PVC.

Condução de Corrente dos cabos elétricos

Agora chegou na parte mais interessante:

Para uma mesma seção nominal, o condutor isolado em HEPR possui capacidade de condução de corrente MAIOR do que o isolado em PVC.

Prova disso é só comparar os valores das tabelas de capacidade de condução de corrente dos cabos com isolação 70°C e 90°C na própria NBR-5410, olha só:

  • A tabela 36 da norma é destinada aos condutores de PVC/ 70ºC. Nela um cabo de 4mm² no método de instalação B1 a dois condutores carregados, conduz 32A.
  • Já a tabela 37 da norma é destinada aos condutores HEPR/ 90ºC, e o mesmo condutor de 4mm² no método de instalação B1 a dois condutores carregados, conduz 42A, aumenta em mais de 30% a capacidade de condução de corrente, e isso se aplica praticamente a todas as seções nominais.

Cabo do chuveiro esquentando e derretendo, o que fazer?

Você provavelmente chegou até aqui por dois motivos:

  1. Achou esse assunto interessante e gostaria de saber mais informações, ou..
  2. Está tomando banho frio pois o cabo do seu chuveiro pegou fogo!

Mas diferente do fio do seu chuveiro, você não precisa “esquentar” com isso, se liga nas dicas que vou te passar nessa parte.

Causas para um cabo de chuveiro pegar fogo

Então, existem basicamente três causas mais comuns para um cabo de chuveiro pegar fogo:

  1. Uma conexão elétrica mal feita.
  2. Condutor dimensionado da forma errada.
  3. Utilização de cabos elétricos de baixa qualidade, vou explicar separadamente cada uma.

Uma coisa que eu sempre falo é:

“O perigo mora nas conexões elétricas”

E isso não é mentira!

Afinal, quando é necessário realizar emendas nos cabos, acabamos afetando as características mecânicas e também elétricas dos condutores, afinal um cabo inteiro, ou seja, sem emendas, oferece menos resistência a passagem de corrente elétrica se comparado a um cabo com emendas.

Mas, na prática, o que acontece é o seguinte:

  • Muita gente insiste em fazer emendas diretas nos chuveiros elétricos, cabo com cabo, fazendo a famosa emenda de prolongamento, só que é aí que mora o perigo, esse tipo de emenda pode até ser feito sim para cabos de até 6mm².

Porém não pode ser de qualquer jeito.

Uma vez que:

Se faltar aperto na conexão, ou o ponto de contato entre os condutores for pequeno, essa conexão não vai suportar a corrente do equipamento, podendo na melhor das hipóteses se romper e na pior delas, causar um curto circuito e até mesmo um incêndio se não houver disjuntor de proteção.

Recomendações importantes

O recomendado para instalação de chuveiros é utilizar conectores apropriados para isso.

Exemplos: conectores de porcelana, conectores a mola (mais novos no mercado).

Se for conector a parafuso garanta um bom aperto e em seguida faça um teste de tração puxando os cabos para ver se ficou firme mesmo.

Outra causa muito comum desse problema é o mau dimensionamento dos condutores elétricos.

Na maioria das instalações antigas temos o tal do “fio mestre” que sempre liga o padrão de energia direto no chuveiro.

Esse fio é que faz todas as derivações, para iluminação e tomadas.

Essa instalação é praticamente uma bomba pronta pra estourar, sabe porque?

Simplesmente porque existe um agrupamento de circuitos em uma rede de alimentação sem a proteção adequada.

Afinal, cada seção de cabo suporta uma certa quantidade de corrente.

Com isso, os disjuntores também devem ser de correntes diferentes.

Exemplos são: cabo de 1,5mm² disjuntor recomendado 10A, cabo de 10mm² disjuntor de 50A e por aí vai.

É aí que entra o grande problema dos fios do chuveiro pegarem fogo!

Atualmente, os modelos de chuveiro disponíveis no mercado tem uma potência média de 5500W, então se ele for ligado em 220V, menos de 25A ele não vai dissipar de corrente.

Logo podemos afirmar que conectar um chuveiro desse em um cabo menor que 4mm² é arriscado pra caramba.

Pois com o uso contínuo o cabo vai aquecer além da conta e, com isso, além de aumentar o consumo de energia, poderá gerar um curto ou até mesmo se romper.

É sempre recomendado procurar um profissional capacitado para realizar o dimensionamento e a instalação.

Ele irá analisar alguns critérios como potência do chuveiro, comprimento do circuito, fatores de agrupamento, temperatura, etc.

“O barato que sai caro”

Evite o uso de condutores desbitolados – aqueles famosos “cabos piratas”.

Infelizmente os órgãos normativos (INMETRO) e fiscalizadores (IPEM) não conseguem fiscalizar todas as lojas que vendem materiais elétricos.

Aí você vai lá e compra um cabo que precisa conduzir 35A de corrente e, na verdade, esse cabo não aguenta conduzir se quer 20A.

Afinal ele é “fino demais”!

Resultado disso?

Sobrecarga e posteriormente rompimento do condutor!

Conclusão

Se você está com esse problema na sua casa, se os cabos do seu chuveiro estão derretendo, procure logo um profissional capacitado para avaliar a sua instalação e evitar mais transtornos.

Você pode até tentar dar seu “jeito” trocando o conector, cortando os pedaços de cabos queimados…

Mas nada disso vai ser suficiente e seguro!

Em breve voltará a ter o mesmo problema.

O certo é trocar todo o circuito do chuveiro e sempre mantê-lo separado dos demais.

Os cabos do chuveiro sempre devem ser exclusivos para o chuveiro.

Conectar outros equipamentos nesse circuito aumenta a corrente elétrica e automaticamente a temperatura no condutor!

E na hora de comprar cabos elétricos confira se a marca é de qualidade e possui todos os selos de certificação.